terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Salve, Salve... a ORQUESTRA IMPERIAL!!!

Inicialmente um projeto para um show na extinta casa de shows Ballroom, do Rio de Janeiro, a Orquestra Imperial foi montada por Berna Ceppas e Kassin e contava ainda com Seu Jorge. Com o tempo, novos integrantes, por meio dos próprios shows iniciais da Orquestra, como Nina Becker, foram sendo adicionadas à banda. O repertório consistia em pérolas do samba e covers inusitados, como Vem Fazer Glu-glu, originalmente cantada pelo apresentador Sérgio Mallandro, e Owner of Lonely Heart, do grupo de rock progressivo Yes. Composições inéditas, como Artista é o Caralho, de Rubinho Jacobina e Gomalina, de Max Sete, foram também sendo incluídas no repertório. Há, também, ocasionalmente, a presença de um convidado no palco. Já participaram Ed Motta, Marcelo Camelo, Fernanda Abreu, Andreas Kisser, Elza Soares, dentre outros. Uma das causas do sucesso da Orquestra foi a presença de Rodrigo Amarante, guitarrista e vocalista da banda Los Hermanos, que começou a levar aos shows os fãs da banda a qual pertencia e, assim, popularizar a Orquestra no cenário alternativo. Em 2006, foi lançado um EP, homônimo, com três regravações e um tema instrumental: Me Deixa Em Paz, Obsessão, Popcorn e Sem Compromisso. No mesmo ano, o primeiro disco, Carnaval Só No Ano Que Vem, foi gravado e distribuído pela gravadora Som Livre. O trabalho conta com repertório inédito, assinado pelos integrantes da Orquestra. Ainda em 2006, aconteceu a estréia internacional, em Portugal, no Festival do Sudoeste, nos EUA, na Universidade de Montclair, em Nova Jersey e em Chicago. Participaram também da exposição sobre o Tropicalismo, no Barbican Centre, em Londres.

Um comentário:

Juliana Caribé disse...

E o que foram as reticencias... Ta saboreando meu nome eh? (risos...)

Beijos.