domingo, 21 de dezembro de 2008

Apenas uma decisão!



Dias ruins passam com a rapidez de um carro de fórmula-1, basta observarmos a importância que damos a ele. Não é preciso ser um psiquiatra ou um religioso, para saber que nem sempre tudo são flores na vida humana, os problemas fazem parte da vida de qualquer pessoa, e cabe a todos nós escolhermos o caminho a ser seguido.
Estas palavras não precisam ser encaradas como auto-ajuda, eu também sofro como os mais humildes mortais. Choro, sinto medo, me frustro, tenho decepções e também tenho vontade de morrer em certos momentos. Momentos, que as vezes são tão ruins que me fazem desistir de tudo e simplesmente puxar o gatilho!
Ao tentar olhar para o fim da vida, me deparo com a triste melancolia de querer fugir de mim mesmo e dos meus anseios, apenas por não me esforçar ou ser bom o suficiente para me manter em dia com os pensamentos e planejamentos da vida (sonhos). Interromper a maior dádiva, talvez pareça ser uma estupidez e irremediável, ter o privilégio de poder respirar sempre será uma grande vitória. Não podemos sucumbir na primeira decepção.
Se os problemas persistirem e se a dor for aumentando ao longo dos dias, e que vire meses de agonia ou quem sabe anos de sofrimento, é melhor procurar ajudar. Se for usar medicação controlada, que seja usada para o bem. E se for fugir para as drogas, é um caminho sem volta, assim como um tiro certeiro (nestes casos, evite virar a decepção da família e dos amigos). Especialistas, amigos e a religião podem auxiliar, orientando e amenizando o sofrimento.
Sempre há tempo de usar os freios. Até mesmo em acidentes automobilísticos, os freios são a última tentativa de evitar o pior, e estar vivo é usar os freios diáriamente. Porque muitos já morreram e continuam com o coração batendo, pois não conseguem olhar as coisas ao seu redor. Pessoas cegas por seus desejos e egoísmos, que não podem admirar a beleza da coletividade de fatos que fazem da vida humana o maior milagre existente.
Nem sempre é fácil escolher o caminho a ser seguido. Mas para quem quer acertar, o primeiro requisito não é nem ser bom ou capaz, e sim, ter vontade, perseverança. Por mais que as cincurstâncias digam não, sempre haverá um desvio de rota, para te livar de si mesmo. Porque, os males provém de nós mesmos, afinal, somos os mesmos animais que sempre acabam cagando tudo, poluindo, mentindo, matando, roubando. Isto pode até parecer um motivo para puxar o gatilho, mas lembre-se, também somos os únicos capazes de amar. E o amor, é a única forma de salvar e transformar o que estava perdido...!!!

Apagar ou não apagar?



Em menos de um mês tive a oportunidade de ter duas sensações diferentes. É estranho e engraçado ao mesmo tempo, ter o destino traçado por pequenos detalhes e até mesmo por um simples "ok" virtual. Ainda não tive o privilégio de virar monge e tão pouco ter a paciência de Jó, aliás, a paciência é uma virtude que busco ao longo desta jornada.
Quanto mais você espera por algo, mais você está prestes a se decepcionar. É impressionante como as coisas funcionam numa regência homogênea. As coisas parecem ter a forma mais sensata do mundo e o insólito destino de conspirar contra a vontade própria.
Enquanto estive perto, estive longe...na verdade este ano conquistei muita coisa e tive muitas oportunidades, algumas eu agarrei e outras deixei escapar entre os dedos da mão. E como isto me incomoda...me incomoda, porque sei que falhei, e porque também sei que podem ser oportunidades que jamais voltarão a bater em minha porta novamente.
Eu espero que daqui para frente, a tempestade seja menos dramática e os paradigmas possam ser contornados e não virem os mitos inalcansáveis e absurdos. A temática deve ser bem simples e objetiva, sem transtornos, fantasias ou surrealismos. Não precisamos complicar o simples! Eu não preciso complicar mais nada...
Pelo sim ou pelo não, pude concluir que existem coisas que simplesmente não valem um mínimo de esforço, pois estão carregadas de negativismo e mentiras. Assim como, existem necessidades que exigem certa prioridade. Não é aquele lance de "sermão" do tipo "eu te avisei", trocar o "certo" pelo "duvidoso" e etc. Mas em nenhum momento nada deixou de ser vivido intensamente, por mais que não tenha saído da forma planejada.
A luta constante no momento é tornar determinadas memórias recentes, em memórias esquecidas, para o coração. Como lição para o futuro, certas memórias jamais poderão ser esquecidas, devem sim serem arquivadas, para eventuais transtornos mais a frente. A base de tudo é a superação e o aprendizado, duas coisas mais do que sensatas e necessárias, ferramentas para a volta por cima e entusiamo de voltar a planejar o próximo passo.
Levantar e encarar de frente os desafios nem sempre é fácil, não culpo o Joel (o da foto) por não ter aguentado a pressão, e ter apagado a Clementine, até porque esta seria uma atitude quase que unânime entre todos nós, que sempre escolhemos as opções mais fáceis e menos dolorosas. Mas não podemos fugir dos problemas para sempre, porque sempre haverá um obstáculo a ser superado.
Enfim, se você não entendeu nada acima, pode ficar tranquilo, também estou nesta dúvida cruel...por enquanto, vou tentar fugir do "tarja-preta" da minha frente. Ele sim, me oferece certo risco...!!!

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Chinese Democracy, parte dois!

O ano de 2008 com certeza será lembrado como o ano da redenção do rock. Sem muita novidade no mercado, Chinese Democracy chega as lojas como uma mistura de curiosidade, ceticismo e paixão, elementos necessários para uma boa venda, e a Geffen agradece.
Seria injusto deixar de mencionar as inúmeras críticas que esta criação musical do Axl anda recebendo, no Brasil, os principais meios de comunicação esmagam e tiram sarro. Simplesmente não se conformam com o simples fato, de Axl ter continuado com o Guns N´Roses sem a formação que deu a banda o título de soberana na década de 90. O relacionamento com a imprensa em si, nunca foi tão agradável, redendo até uma música "get in the ring" em "Use your Illusion" onde Axl chama todos para uma briga, inclusive citando o nome de alguns deles.
Este é um álbum que deve ser escutado várias vezes, porque é possível fazer várias leituras ao mesmo tempo. A complexidade se aproxima de qualquer argumentação, porque se houveram inúmeros produtores (que ganharam muito bem) e vários músicos envolvidos, simplesmente, foram os melhores, já que as cifras ultrapassam os 13 milhões de dólares. Unidos aos anos de espera, o cd além de ser o mais caro da história, pode ser considerado o mais esperado também.
Vamos ao track-list do material:
Chinese Democracy- faixa que abre o cd, com bastante similaridade a antiga formação, talvez pudesse ser comparada com os antigos músicos, apesar de seu tom moderno, a agressivade de Axl e guitarras cadenciadas tornam esta canção uma música de adrenalina em apresentações ao vivo.
Shackler´s Revenge- assustadora, mistura um vocal apurado com toques eletrônicos, as vozes de fundo misturadas a uma linha crescente, transformam o refrão melódico, quando de repente a música quebra como no inicio.
Better- talvez a música mais conhecida do álbum, mesmo ele tendo saído agora, esta canção já dominava paradas de sucesso. Better é o retrato do talento e criatividade do Axl, é o ponto onde ele quis chegar e mandar o seu recado, vai da leveza pop ao íngrime rock.
Street of Dreams- primeira balada, não fica devendo nada para tudo que o Guns já produziu, também foi uma música bem recebida e aceita entre os fãs, com um piano fazendo dupla com o vocal de Axl, a música atinge uma postura simpática e triste, mistura de sentimentos e sensações.
If the World- talvez uma das músicas mais difíceis de traduzir, com arranjos sinuosos e enigmáticos, a música também mostra a performace mais recente da voz de Axl, carregando todas as mudanças que o tempo fez questão de acrescentar, fica a curiosidade, de como poderia ser executa ao vivo, de longe, lembra uma adaptação do jazz ao rock.
There Was a Time- uma canção crescente que vai acumulando energias para o refrão, o lado instrumental tem presença notável e se destacam com o tempo e notas combinadas. Seria encarada como uma canção moderna, e possivelmente estaria entre os padrões tão exigidos pela crítica em si.
Catcher in The Rye- enigmática, diferente de tudo que já ouvi e imaginei o Axl fazendo. Foi a música que mais "estranhei" neste álbum, realmente parece que as coisas mudaram no Guns, não que a mesma seja ruim, é apenas "diferente" entre a linha do passado e a própria linha recente. Mas tem grandes chances de conquistar seu espaço em qualquer rádio ou mp3´s por aí.
Scraped- com um inicio ousado, onde Axl faz várias vozes, scraped pode ser encarada como uma música para fazer a galera pular no shows, embora tenha refrão melódicos, o metal parece estar presente nesta música. Vale lembrar, que é mais uma modernidade no cd.
Raid N´The Bedouins- agressiva como "chinese democracy" e quebrada como as outras, pode funcionar ao vivo, é uma das que tem um certo peso, e colocam a expectativa da banda em se apresentar com certa atitude e técnica.
Sorry- com uma perspectiva mais sombria para ser encarada como balada, ela representa o perfil diferente do que Axl pode render, é uma canção crescente, que vai empolgando ao longo dos segundos, e contém elementos até do blues.
I.R.S.- uma canção que daria para imaginar novamente a antiga formação tocando, guitarras sujas e solos compassados. É um dos pontos fortes do cd.
Madagascar- uma das primeiras músicas conhecidas para integrar este material, é uma canção montada, e dividida em momentos diferentes, Axl repete a colagem externa feita em "civil war" e para ter acertado na medida certa. Sem falar, que seu vocal está apuradíssimo empolgando e arrepiando seus admiradores.
This I Love- a balada que conquistou o respeito deste álbum. Ponto mais que alto, uma obra caprichada e detalhada, se levou tanto tempo para sair, valeu a espera. Mais uma vez, o piano e a vontade de Axl cantar, fazem desta música uma balada tradicional que remete aos tempos antigos de "november rain" e cia.
Prostitute- música que fecha todo este ciclo, e tem uma perspectiva pop, que vem sendo por incrível que pareça, elogiada pela crítica. É música certa para estar em trilhas sonoras. Fecha com honra o cd e traduz todo o momento em que Axl esteve envolvido neste projeto.
Definitivamente, "Chinese Democracy" não é um álbum para ser comparado com nada do que o Guns N´Roses já produziu no passado, mesmo tendo algumas músicas que lembram de longe, o que Axl Rose viveu com os amigos do passado, este cd é sem sombras de dúvida, um trabalho para esta geração, com a cabeça de quem viveu em outras épocas, mas que não perdeu a vontade de fazer música.
Axl gastou tempo e dinheiro, entrou em diversos estúdios e esteve ao lado de grandes músicos. Este é um material bem produzido e que simplifica a dúvida que todos tinham, se ele (Axl) era só um bom vocalista que arrumava confusão com o espírito do rock, ou se realmente tinha a sensibilidade musical para ter independência no processo de criação das músicas. E seus antigos companheiros de estrada, assim como todos que acompanham o Guns, podem estar convíctos de que ele tem talento para a música.
Agradando ou não, "Chinese Democracy" é uma obra contemporânea, ousada, mas adaptada ao mercado "nocivo" do mundo moderno. Foi produzido de acordo com as tendências e regras do público e da media, sem deixar de lado, a ideologia e mensagem do rock. Axl, conseguiu estabelecer novamente um padrão (mesmo invejado por muitos), de que quando está em cena, poucos podem superar. Resta esperar, se algum dia, a música poderá ganhar a oportunidade de ver os principais nomes do grupo reunidos novamente, mesmo sendo bem assessorado nos dias atuais.

domingo, 7 de dezembro de 2008

Chinese Democracy, parte um!



Desde 1991 sem lançar um álbum com canções inéditas, Axl Rose agora com novos músicos, faz uma releitura da música apresentando ao mundo o seu mais novo (e velho) trabalho de nome "Chinese Democracy" (já censurado na China).
A década de 80 andava num marásmo de dar dó, pouco se via nos backstages do rock. Bandas consagradas da década anterior se deterioravam em drogas e torram o dinheiro, enquanto um espaço para a uma vertente mais alternativa ia surgindo como saída de escape. Nesse cenário decadente, o hard-rock teria um suspiro, que talvez tenha sido, o seu grande ápice.
De contrato assinado com a Geffen Records, uma banda suja e das ruas de L.A estaria a um passo de entrara para o seleto hall das grandes bandas da história do rock mundial.
O primeiro trabalho nomeado de "Apetitte For Destruction" já indicava a que vinha a banda californiana. Axl, Slash, Izzy, Duff e Steven formavam o quinteto mais problemático e talentoso que já existiu na América do Norte. Hits como:"sweet child o mine" , "welcome to the jungle" e "paradise city" ocuparam todas as paradas de sucesso mundo a fora. A combinação de um rock sujo, com a maestria de uma banda incrívelmente criativa e com vocais rasgados e muita atitude. Coloram o grupo em todas as manchetes dos jornais na época, não só pela música, mas por toda a ideologia que o rock carrega.
Drogas, shows cancelados, bebedeiras, brigas com a imprensa, agressões, processos, multidões enlouquecidas, longas turnês. Sim, o Guns N´Roses sempre teve um histórico comparado a um coquetel molotov, pronto para explodir. E realmente explodiu, no mesmo ano de "Apetitte" eles lançariam um álbum sem compromisso com o título de "Lies", onde a música "patience" colocaria junto com o "Apetitte" em primeiro e segundo lugar na Bilbord (isto no mesmo ano).
Em 1990, na primeira visita a América do Sul. O Guns estava sem tocar num show a um ano aproximadamente, devido aos seus excessos, que promoveram a saída do baterista Steven Adler, parece o seu lugar foi recrutrado Matt Sorum, e houve espaço para um tecladista, Dizzy Read (que acompanha Axl até hoje). O cenário era o Rock In Rio 2, no maracanã em duas noites de ingressos esgotados, Axl e seus companheiros, se apresentaram em duas noites épicas, tocando para mais de 100 mil pessoas, o Guns começava a traçar o caminho dos incríveis números tornando-se uma lenda viva.
Um ano após o passeio pelo Brasil, saía oficialmente um álbum duplo "Use Your Illusion 1 e 2". Que teve recordes de venda em quase todos os países, mais uma vez, dois álbuns faziam o burburinho da cena musical. Neste momento, o maior trono da música, pertencia ao problemático e surpreendente Guns N´Roses. Nesse meio tempo, saía o guitarrista Izzy e entrava Gilby Clark.
Foram quase 3 anos de turnê com esse disco, até que em 1994 a banda lança um álbum de covers "Spaghetti Incident", um trabalho extremamente questionado por críticos e pelos fãs, mas que mesmo assim, teve números interessantes.
Depois de 1994 pouca coisa aconteceu, a banda entrou em férias e parece não ter mais voltado. Problemas internos colaboraram com a dissolução de todo o grupo, chegando até mesmo aos membros fundadores, devido a diferenças musicais. Esse é o preço a se pagar, quando na mesma banda existem a química perfeita, porém explosiva. Após alguns anos de batalhas judiciais, Axl Rose, comprou a marca do Guns e transformou aquilo que ninguém acreditava na sua banda.
Em 1998, a gravadora resolve lançar um disco duplo de várias performaces ao vivo, com o nome de "Live Era". O material continha os principais triunfos dos curtos anos de carreira. Na época, alguns ousaram em dizer que era uma forma de homenagear e reviver o curto e meteórico momento em que o rock fez parte da vida de milhares de pessoas espalhadas ao redor do mundo. Méritos de um dos melhores front-mens e guitarristas que já existiram (e vale lembrar, na mesma banda). Um ano depois, Axl apresenta ao mundo o que seria o novo Guns N´Roses, através de uma música para um filme. A partir daí, surge a saga do Chinese Democracy.
Inúmeras vezes adiados, várias vezes chacoteado, motivo de histeria e matéria jornalística. Axl depois de ficar um longe período recluso, onde não haviam fotos e nem entrevistas, surge para uma platéia de mais de 180 mil pessoas no Rock In Rio 3. Naquele momento, todos comprovaram que o ícone mais influente do início da década de 90, tinha mudado de ares. Com novos músicos e com algumas inéditas (que poderiam ou não pertencer a Chinese Democracy), foram executadas para testemunhas do ressurgimento ou ressurreição (como queiram), do grande símbolo do hard-rock.
Sem os seus companheiros antigos, Axl Rose, teve muito trabalho para arrumar a casa e deixar um som agradável e de qualidade. Mas as datas e shows cresciam por todos os lados. Agora todos esperavam por um cd, um cd de músicas que refletiriam todos os anos de sumiço e ausência do próprio Axl, que tinha deixado uma legião de órfãos, fãs incodicionais do Guns N´Roses.
-------------------continua--------------------------

sábado, 6 de dezembro de 2008

Fun fun fun 'til her daddy takes the T-Bird away!!!

" Final de semana passando mal é sempre muito bom pra se atualizar..fazia muitos anos que eu não sentava assim pra ver televisão.Globo repórter após 700 anos “ E no globo repórter de hoje : A Amazônia !”Nas novelas não se sabe quem é quem e quem é mais clichêzão e mais podrão então as pessoas se irritam comigo pelo muito conversar e morrer de rir , propagandas continuam me tirando do sério mas tem uma coisa que sempre desde que me entendo por gente gostava de ver na tv... programas de clipes.A coisa foi chocante!!! Sai da sala me arrastando, dormir teria sido melhor...
Tudo começa com a nova rainha do pop Rihana com o que se chama de música romântica pós moderna “please don’t stop the music”.
Logo em seguida entra a musa ressurgida que saturou a mídia e assim mesmo conseguiu voltar ao topo das paradas com coisas do tipo “ sou uma mulher terremoto como madona foi” só que eu tiro meu chapéu para “piece of me” que apesar de ser nojentinha tem um pouco de autenticidade que relembra a época de “I’m not a girl “.
Ai começa a sessão de rappers ,sarados ,suados dançantes que não sabem mostrar outra coisa alem de carros e ouro e gente transando no chão , e um adolescente muito do irritante que se acha o sexy e fala de experiências com mulheres mil como se ele tivesse 30 anos e não 14,conhece a mãe e a tia , e as amigas do balé que ensaia 5 horas por dia ,depois da academia.Ai dá saudades do eminem e do linkin park que realmente mantinham mais a linha de rap conscientização tanto que me assustava na maioria das letras.
Depois para amenizar entra o novo ícone dos aternativos e junkies , tão falada e tão ouvida Amy winehouse que nada mais é do que uma tentativa frustrada de cantoras de soul do passado , um acaro do sapato da Billie Holiday , Ella Fitzgerald e Judy Garland e mais um milhão que não conheço.A mulher escreve musicas sobre seus problemas pessoais super arrazando e se mostrando super cool por ser alguém completamente desajustada ,mega chapada , de malboro light na mão com pulmões arrebentados.E daí se ela não quer ir pra reabilitação... e daí?? Quando ela tiver cirrose hepática ela vai fazer uma musica sobre também? Nada contra se divertir e fazer o que dá na telha mas eu não tenho saco pra ouvir sobre quantos vômitos ela deu depois de beber todas e o quanto se sente infeliz sendo rica e moderna.
Arrancando cabelos já mas ai entram as artistas completas ,tenores, instrumentistas e arranjadoras natas , alem de serem super lindas, cantarem e dançarem , The pussycat dolls que eu acho uma das maiores vergonhas do mundo da musica.Veja bem, elas jogam cabelos pra lá e pra cá ,enquanto dançam caminham, tudo ao mesmo tempo, e de repente estão se esfregando no capo de algum carro numa avenida movimentada enquanto todo o tráfego para olhando pra elas,daí ela,a principal com a melhor voz e contrato mais longo na gravadora quase deixa a marca da bunda no para –brisa de alguém que se fosse eu ia mandar prender,cantando coisas do tipo “Eles te chamam de sexyE você não se importa com o que eles dizem ..tadinhas.. elas não se importam não.
Agora eu entendo e não posso nem me queixar pela antipatia, boca suja e tanta encrenca que Oasis faz porque eles sabem do que se passa , por isso se gabam tanto e se acham os melhores do mundo mesmo.
Depois vem a Ferguie que começou muito bem obrigada mas que agora virou mais uma que pretendia ser Pink e acabou por Cristina Aguilera.
É claro que existem aqueles artistas/músicos que são altamente pop’s e lucrativos mas que a gente adora, porque sempre tem alguma musica que a gente se identifica,alguma dor de cotovelo ou algo do tipo.
Mas a grande maioria deveria ter vergonha dos clipes que fazem porque é comprovadamente notado que é possível produzirem clipes de assuntos quaisquer de boa qualidade, história inteligente e esclarecedora ou não, sem sentido algum e cheio de banalidades mas sem esquartejar nossos ouvidos, olhos e mente ou fazer a gente ter vergonha de ser humano.
E é com isso que eu rebolo e danço estranhamente.Chicletinho na boca pra disfarçar a timidez , perfeita divisão de vozes mais sapateado desengonçado."
Fonte: FAITH__ENOUGH
Fernanda Macedo.

Sistema cardiovascular e afetivo.



(foto:CNRI / SCIENCE PHOTO LIBRARY)

"Ninguém entende ao certo como funciona. No mesmo instante em que se está vivo ele pode receber uma grande descarga e parar de funcionar, ao passo que quando ele parar de funcionar pode também receber certa descarga de energia e miraculosamente voltar a vida. No mesmo instante em que se está feliz e de bem com a vida algo que se escuta ou se vê faz toda essa alegria e contentamento escoar pelo cano...uma espécie de sístole e diástole sentimentais.
É um músculo oco ,as trabalha com perfeição e dita todo o funcionamento do corpo, desde as principais funções até as mais secundárias que estão ligadas a ele. Até aí é obvio mas não se sabe qual a relação que ele tem com o que sentimos, com o que pensamos e com os impulsos amorosos.
Existem alguns fatores e sentimentos que aumentam a frequência cardíaca: Queda da pressão arterial, inspiração, excitação, raiva, dor, redução da disponibilidade de oxigênio para as células do organismo, exercício, adrenalina, febre. E outros que diminuem: Aumento da pressão arterial, expiração, tristeza.
Mas a explicação de que forma o coração parece vibrar ou desmoronar quando se vê alguém não existe, a rapidez com que ele acelera os batimentos quando é correspondido, a coagulação da espera, a dor da traição ou esquecimento, a estupidez e humilhação ou coragem de se esquecer tudo e começar do zero isso não se explica.
Átrios e ventrículos não são tão complexos se comparados a esses sentimentos que nem o próprio Deus se atreve muito a ditar regras e traçar um plano certo e impecável. As vezes acontece pela muita convivência, pela muita afinidade, pela falta de opções mas acaba se tornando a coisa mais bonita constante e duradoura da vida daquelas pessoas. Outras vezes acontece sem que nunca tenham se visto antes, sem muito porque, sem muita razão, algumas pessoas o constroem sozinhas e demoram a perceber que não se pode sozinho, mas a vida acaba por reservar a essas pessoas a chance de amarem e receberem de volta. Lançar o pão sobre as águas e esperar que um dia possa recolhe-lo.
Aquela necessidade de fazer bem ao outro mesmo quando lhe é feito o mal, quando o egoísmo diminui, quando se abre mão dos direitos, quando resiste ao tempo, a distância e as falhas. Aquilo que traz paz, tira a paz, que te faz tomar medidas extremas, aparecer lugares sem convite, dizer sem ser perguntado, ligar sem saber porque, escrever sem assuto, se expor e perder o pensamento racional, coisas que qualquer marca-passo desconhece.
Fica ai então o diagnóstico (ou a falta dele) e o eletrocardiograma. Não há controle, não há poder, não há medicina nem ciência filosófica que explique e não se sabe ao certo se são todos que tem a sorte de sentir algo assim. E isso não é uma narrativa sem sentido."
Fonte: Recanto das Letras / PHER
Fernanda Macedo

E depois dizem que atrocidades não se repetem.

(foto:Theo Heimann / AFP)

Manifestação neonazista termina com 40 detenções em Berlim.

Cerca de 700 pessoas participaram de passeata.Grupo de esquerda tentou barrar manifestantes e houve confronto.
Pelo menos 40 pessoas foram detidas hoje durante uma manifestação da extrema direita realizada em Berlim, informaram fontes policiais.

Entre os detidos estão também neonazistas e radicais de extrema esquerda, integrantes de uma contramarcha que tentou barrar a primeira manifestação.

Cerca de 700 neonazistas reivindicaram hoje em Berlim um "centro juvenil nacional", cercados por um dispositivo policial composto por 1.600 agentes.

Os manifestantes de esquerda tentaram deter o protesto neonazista e foram dispersados pela Polícia, que deteve alguns dos participantes.Quando o protesto passou pelo distrito de Pankow, aconteceu um enfrentamento entre ambas as concentrações com o lançamento de objetos, o que obrigou os agentes a intervir e fazer várias detenções.

Segundo a Polícia, alguns dos presentes ficaram levemente feridos durante o enfrentamento.
fonte: G1

sábado, 29 de novembro de 2008

Eu tenho medo.


Esperando a maré da repercussão das eleições americanas, cá estou para dar um pitaco na escolha dos irmãos do norte. Bom, a figura de Obama pouco lembra a do nosso querido presidente Lula, até porque, Obama sempre teve grana e estudo, coisa que faltou ao Silva daqui. Mas podemos notar uma semelhança, os americanos também tiveram a oportunidade de mudar o destino do seu país em eleições passadas, um exemplo lógico é o bom homem chamado Al Gore. Assim como na fatídica eleição decidida pela Globo, onde o Collor se elegeu deixando a verdadeira esperança do povo no poder, através do então revolucionário petista Lula.
Obama vem com status de super herói e começa a ter sua imagem vinculada ao mito de ser o mandante do mundo, porque como a nação mais poderosa do planeta, seu trabalho é sentar numa cadeira confortável e apertar detonadores nucleares (assim como afundar economias mundo afora). Não, eu não tenho implicância com o pobre coitado, só tenho medo do que possa acontecer num futuro bem próximo.
A comparação inevitável com Mather Luther King é que me irrita. Até porque, o reverendo jamais poderia imaginar, que sua luta um dia pudesse chegar a posse da Casa Branca. Sim, naquela época, Luther King sonhava apenas com o direito de negros e brancos darem as mãos sem a retarguada do ódio e preconceito racial. As razões e ideologias polítcas não refletem o caráter e a luta de quem no passado, pagou com a própria morte tamanha devoção, de uma luta que hoje culminou no cargo mais importante da Terra.
Se você pegar qualquer livro de história, verá que o reverendo pregava a luta contra o ódio usando o amor. Em várias ocasiões, negros eram insultados com palavras e cuspes e mesmo assim não revidavam, e foi aí que tudo deu sentido, porque alguns começaram a morrer, e o próprio movimento balançou, tentando usar a retórica da mesma moeda. Mas como a sabedoria vem do alto, Mather Luther King manteve a sua constância e disse não a violência.
Pode ser loucura da minha cabeça, afinal esta nação possue muitos inimigos e na gestão turbulenta do texano Bush (o filho) a imagem americana queimou bonito! Mas a visão de que Obama será a solução dos problemas, é algo controvertido e sem razão. Primeiro, porque o mesmo tem em suas mãos guerras em pleno andamento, segundo que ele ainda tem que caçar o seu xará o Osama (por ego e honra), terceiro é que o congresso americano adora votar a favor de uma guerra, em quarto lugar vem a razão da crise mundial, até porque quase todos os países do mundo tem negócio com os americanos, e por aí vai. (estou com sono e esquecendo os principais argumentos)
Para justificar o meu medo e ser mais um do contra, tenho medo dele não ser o que todo mundo espera que ela seja. Assim como iniciei o papo logo ali em cima, o Lula de 1989 era a salvação do nosso país, não que hoje ele não seja um bom presidente, mas... foi o mesmo, chegar a Brasília, e continuar o que os demais sempre fizeram, governar para a minoria! E no país de primeiro mundo as coisas nem são tão diferentes, se o Obama for governar para quem bancou a sua campanha, o que veremos em alguns anos, será o aumento dos guetos e dos inimigos. Seu cargo é de mediador e pacificador global, cabe a ele, usar os principios daquele que tanto insistem em compara-lo.
Sem mais, estou cansado e impaciente!

Música que liberta!

Então, quando tinha 15 anos começava a curtir uma vertente do rock chamada "new metal", onde enquadravam uma banda desconhecida para mim, seu nome Payable On Death (mais conhecida pelas suas iniciais P.O.D- com tradução livre para pagável na morte). Lembro que um detalhe fez toda a diferença, um amigo informava apontando para a capa do cd "eles são de Deus, veja só, não tem advertência". Ele se referia a tarja "Parental Advisory" que indica e classifica materiais musicais com conteúdos inapropriados para menores no USA.

Realmente, o P.O.D era uma banda diferente, até mesmo pelo seu estilo, uma hora com pitadas de reggae, outra com rap, sem contar no hard core sempre presente! Uma mistura com letras que falam de amor, vida, família e fé, tornava esta banda especial. E foi assim que tudo começou.

Descobri que o P.O.D enfrentava a resistência de cristãos fanáticos e radicais e ao mesmo tempo eram idolatrados por cristãos um pouco mais esclarecidos. De fato, a banda aborda como ninguém cernes do evangelho travando um questionamento, através de mensagens diretas a quem esteja disposto ouvir. O lado conservador da igreja, detonava a banda, por sua simbologia e simultâneamente os de fora da igreja se apegavam na certeza de curtir uma música de qualidade sem rótulos.

No USA, a banda é bem sucedida já teve participação em 5 trilhas sonoras, entre elas no filme Matrix. Já tocou nos maiores festivais como Ozzy Fest e Rock Am Ring. Tendo inclusive tocado na famosa virada de ano da Time Square (NY) junto com os maiores artístas da terra do tio sam!

E em 2008, eles por sorte iniciaram sua primeria turnê na América do Sul, a banda que chegou ao sucesso por volta de 1998/99, tendo seu auge em 2001/o2. Demorou quase uma década para estrelar em palcos brasileiros. Numa agenda de 5 shows, o P.O.D mostrou que estava com sede de passar sua mensagem. Sorte das capitais que tiverem o privilégio de receber um show disputado por fãs de todo o território nacional.

Ter a sorte de assistir um show perfeito não é para qualquer um não! E a honra, sinceramente foi minha...hahaha Sonny, Traa, Marcos e Wuv detonaram clássicos como "southtown", "alive", "youth the nation" e "satellite", num repertório escolhido a dedo, para um público que ainda não tinha assistido a performace ao vivo da banda! Vale destacar que o cd novo, que já é considerado um dos melhores da banda, não foi esquecido e hits como "addicted" e principalmente "shine with me" (música que me persegue!) embalaram a pequena (mas fiel) massa que cantou do inicio ao fim.

O que vi no palco não foi música gospel, nem propaganda religiosa. Vi afeto, respeito e admiração por parte do grupo em relação ao público. Um amor que transcede entendimento, a humildade da banda é extremamente notória. Eles fizeram o show como se fosse o último de sua carreira, o suficiente para que o comportamente traduzisse a mensagem! Vocês me entendem? Inclusive, algo que passou desapercebido por muitos, mas o Sonny chega em determinado ponto do show e chama o público de "família", uma intimidade pronta para selar a fidelidade de quem realmente aclama o trabalho dos caras.

Um show que merece ser repetido em outras turnês por aqui!

O mais legal foi a coexistência da galera, religiosos e não religiosos juntos curtindo o mesmo som, sem rotular, sem julgar...

Muita emoção para quem foi...!!!

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Slash, Duff, Matt e cia...morram de inveja !!!


Chinese Democracy já gostamos de você!

Desde 1994 sem lançar um cd inédito, o Guns N´Roses liderado através de seu ícone principal, Axl Rose, parece ter encontrado um caminho para que o então aguardado álbum Chinese Democracy, pudesse realmente sair da imaginação de seus fãs.

Foram vários anos e várias datas marcadas. O álbum recebeu ínumeras chacotas e críticas antes mesmo de sair dos estúdios. E para o delirio de todos, dia 23 de novembro a Best Buy, começa vender exclusivamente o Chinese Democracy.

O primeiro contato com as canções da nova formação do Guns N´Roses, foi no Rock In Rio 3, onde mais de 180 mil pessoas presenciariam um momento épico na cidade do rock, no Rio de Janeiro. Axl Rose, no peito e na raça, travou uma luta ao longo dos anos, contra os antigos integrantes e até mesmo a gravadora. Que por sua vez, cancelou o lançamento deste material em algumas ocasiões, o que deixou muita gente frustrada.

Agora, é aguardar estas semanas que restam para curtir o mito que Axl produziu por mais de uma década. O Guns N´Roses, que já foi uma das bandas mais influentes do cenário mundial do rock, pode novamente fazer história lançando um álbum extremamente "lucrativo" e com a cara e rebeldia que merece.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Um cristão no topo.

A equipe da revista Guitar Player Brasil, uma das mais conceituadas do mundo, acaba de informar que a edição de setembro de 2008, capa com Juninho Afram, foi uma das mais vendidas da história da revista.
Juninho e toda a família Oficina G3 agradecem ao público pelo interesse, o carinho e o apoio, sendo de fundamental impotância para o grupo este respaldo.
O resultado da promoção que dará um kit completo do guitarrista será anunciado em breve no site da Guitar Player.
O nosso muito obrigado a todos vocês!
Maurício Angelo - Assessoria de Imprensa


--------------------------------------------------

Estou para escrever algo em relação ao Oficina G3, em breve disponibilizo aqui, aguardem!

Os sábios ainda vão continuar confusos!

Video de Flush Causando Controvérsia

Postado em 29.09.2008 por Alva

O ex guitarrista do Korn respondeu sobre a controvérsia envolvendo o vídeo da música "Flush". Segundo fontes, o CD Save Me From Myself tem sido retirado de várias lojas por causa do conteúdo do vídeo da música Flush.
"Eu tenho recebido um punhado de mensagens de várias pessoas conservadoras reclamando sobre o sexo e as drogas referentes ao meu novo vídeo Flush, e eu tenho recentemente sabido que alguns lojistas estão retirando o meu CD de suas prateleiras por causa do conteúdo do vídeo da música Flush, mas eu quero dar uma explicação do que o vídeo significa para mim e o endereço desses lojistas que retiraram o meu CD de suas prateleiras.
Eu fiquei emocionalmente, espiritualmente e fisicamente doente quando eu estava na Metanfetamina. Eu acredito que eu deveria estar morto agora se eu continuasse usando a Metanfetamina, mas ao invés disso, eu escolhi a rendição da minha vida para Cristo e morri , mas ele pode compartilhar a sua ressurreição comigo. Significativamente as imagens também condizem com as crianças (não atores) do começo do vídeo que estavam honestamente dizendo sobre as suas dependências .
Para ser claro eu não estou vindo para pedir desculpas pelo meu vídeo ! Mas eu queria deixar claro alguma confusão do que o vídeo realmente quer dizer e espero que isso tranquilize as pessoas. Eu tinha sido informado que o meu CD estava sendo retirado de várias prateleiras de lojas por causa do conteúdo do vídeo da minha música Flush.
Eu entendo que o vídeo pode ser um pouco demais para algumas pessoas conservadoras e eu respeito todas as escolhas . Mas para mim, pegar o meu CD e retirar das prateleiras por causa de um vídeo é um pouco extremo demais . Lá está uma enorme mensagem de esperança no meu CD e eu acredito que esses lojistas que estão retirando o CD das suas prateleiras estão roubando alguém espiritualmente tirando isso de suas prateleiras.Mas , obrigado Deus pelo Itunes!
Eu não fui chamado para ser um professor de escola no domingo , óbvio. Eu quero dizer, apenas me olhem ....(sorriso )... Eu fui chamado para falar para as pessoas que entendam a minha linguagem e eu serei o mais rela possível . O dinheiro tem que desaparecer da mídia cristã . Eu desafio os cristãos conservadores a pensar " fora do padrão " , e cair na real com a forma com que vão tentar e se conectar com as massas.
Quanto a mim , vou fazer tudo o que eu posso para matar a mentalidade religiosa que continua a ser classificada e seus pensamentos . Morra !!! Religião !!! Morra !!!
Mais uma coisa importante ...Eu amo todos ...Todos vocês conservadores caluniadores !!!
"HEAD"

fonte: www.kornbrasil.com

Um Papa alemão, na terra dos judeus!


Israel pede a Bento XVI para visitar o país apesar de polêmica sobre Pio XII.

Papa da Segunda Guerra Mundial é acusado de 'aceitar' Holocausto.Presidente do Estado judeu reafirmou convite a pontífice atual.

O presidente israelense, Shimon Peres, pediu hoje ao papa Bento XVI que não cancele uma futura visita a Israel por causa de uma polêmica frase que aparece junto a uma foto de seu antecessor Pio XII no Museu do Holocausto, em Jerusalém. "Não há relação entre o assunto de Pio XII e a chegada do papa", disse hoje Peres a um grupo de jornalistas ao ressaltar que a prevista visita do papa, ainda sem data, "não tem relação com (...) disputas", mas com a Terra Santa.

A frase em questão acusa Pio XII de ter se calado enquanto milhões de judeus eram conduzidos aos campos de extermínio durante a Segunda Guerra Mundial, entre 1939 e 1945 pois, quando os relatórios sobre o Holocausto chegaram ao Vaticano, o então pontífice não reagiu com protestos escritos ou verbais. Ontem, o padre defensor da beatificação do pontífice, o jesuíta Peter Gumpel, advertiu em Roma que Bento XVI não visitará Israel enquanto a frase não for suprimida.

Segundo Gumpel, o papa deseja visitar Israel, mas enquanto a frase não for retirada "Bento XVI não pode ir a Israel, pois o mesmo seria um escândalo para os católicos". Após essas declarações, o porta-voz do Vaticano, o também jesuíta Federico Lombardi, minimizou a disputa e disse que a frase é algo "relevante", mas "não é um fato determinante" na decisão de uma possível viagem do papa a Israel. Além disso, acrescentou que a viagem à Terra Santa é, como já se sabe, um "desejo" ainda não concretizado.

Em comunicado, o Museu do Holocausto afirma que "qualquer visita do papa a Israel é um assunto político e, portanto, não é parte da questão (de Pio XII)". "As pesquisas sobre o período do Holocausto, inclusive o papel de Pio XII", são dinâmicas e prosseguem, acrescenta a nota, e "a apresentação do tema pelo Museu Histórico do Holocausto se baseia nas melhores pesquisas".

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Falta o exemplo.


Rio - Os candidatos à prefeitura do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB) e Fernando Gabeira(PV), admitiram que já fumaram maconha, mas afirmaram que são contra a descriminalização da droga. As declarações foram feitas em um debate promovido pela Folha de S.Paulo, nesta quinta-feira, no Cine Odeon, no centro da capital fluminense.
Paes confessou que usou a droga apenas uma vez na juventude e que não gostou. Ele disse ainda que viu muitos amigos se perderem por causa dos entorpecentes e garantiu que, caso seja eleito, ajudará a combater o tráfico de drogas. "Essa é a grande angústia do carioca. Antes a polícia era reguladora do tráfico. Com o governador Sérgio Cabral isso mudou. No meu governo eu não vou empurrar essa obrigação de combate para o Estado".
Gabeira, por sua vez, confessou que não usa mais a maconha como efeito relaxante. Para ele, não é conveniente um político que ocupa um cargo no Legislativo (Gabeira é deputado federal) desrespeitar a lei. O candidato do PV revelou que, para relaxar, passou a fazer natação e meditação.

Sobre a descriminalização das drogas, Gabeira afirmou que é contra, já que ela só seria possível no futuro, quando o Brasil estiver evoluído o suficiente. "Eu jamais deixarei de respeitar as crenças religiosas e a opinião da população. Eu não fumo mais porque não é aconselhável desrespeitar a lei", comentou o candidato.

As informações são do Terra

Agulhas, tintas, pele e disposição!

Rio - Depois de muita expectativa entre os fãs brasileiros do ‘Miami Ink’ — reality show que mostra o cotidiano de um grupo de tatuadores e seus clientes —, o canal por assinatura People+Arts apresenta, no dia 28, às 22h, o especial ‘Rio Ink’, gravado no conhecido estúdio ‘Banzai Tattoo & Piercing’.
“O Rio tem essa característica fantástica, os corpos ficam muito à mostra por causa do clima. É ótimo para divulgar a tatuagem”, exalta Fernando Medin, gerente geral do Discovery Networks no Brasil.
Mas, ao contrário do programa original (já em sua terceira temporada), a versão nacional terá apenas um episódio de 45 minutos. “Vamos avaliar os resultados”, diz o gerente, cauteloso.
Das 22.669 pessoas inscritas no site do programa, cem foram selecionadas numa primeira etapa e 50 chegaram a fazer testes. “Gravamos com 12 pessoas, mas somente 7 aparecem no programa por causa da importância de suas histórias”, esclarece Michel Stolnicki, produtor executivo da atração.
Entre as histórias apresentadas em ‘Rio Ink’, está a da estudante de direito Giselle Fontes, 25, que terminou a tatuagem de uma grande borboleta, presente do namorado, morto no desastre da TAM, em junho de 2007. “Ela representa a ligação eterna que existe entre nós”, emociona-se.
Apesar de apresentar inúmeras tatuagens, o músico Tico Santa Cruz aparece contorcendo-se de dor ao ser tatuado pelo dono do estúdio, Lúcio Tattoo, que fez a imagem de Iemanjá na perna do cantor. “Uma tatuagem como essa é feita em, no mínimo, duas sessões, mas tive que fazê-la de uma vez só, por causa das gravações”, conta Lúcio.
A administradora de empresas Patrícia Pierro homenageou os pais, mortos num período de onze meses, fazendo um tigre e um ideograma chinês. “Mesmo deficientes físicos e com pouco estudo, eles criaram os filhos com valores morais. Minha mãe sempre dizia que deveríamos ser fortes”, diz.
O lado engraçado do programa fica por conta da modelo Karoline Pinheiro que dá, descaradamente, em cima do tatuador CH2, o ‘Dom Juan’ do estúdio e que também é grafiteiro.

http://odia.terra.com.br/cultura/htm/_rio_ink_mostra_a_arte_na_pele_dos_cariocas_206499.asp

Quando prestamos atenção no que cantamos!

And look through my eyes
And then you will see what happens
Nowehere to hide, look deep down inside
In life you must take your chances
Come with me and you will see


(trecho da música "shine with me", Payable On Death)

-Pode parecer sem sentido, mas se alguém precisa saber ... o recado está dado!

...Ah...só uma breve interpretação!

- Se é o momento de enxergar o que há lá dentro, e se lá dentro há alguma coisa que realmente possa evitar alguma decisão, ou até mesmo motivar uma outra decisão. Nada como observar os sinais que nos cercam, através dos olhares, das palavras e do que realmente, vai poder te completar e te fazer bem. Não precisamos passar por cima de ninguém para sermos felizes! É só uma questão de escolha, porque sempre estamos escolhendo...

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Enquanto isso...no mundo animal...


O cavalinho acima, batizado de 'Fat Boy', deu trabalho para bombeiros e policiais de Newquay, no sudeste da Inglaterra, na madrugada desta terça-feira (14). Depois de passar a noite comendo maçãs fermentadas - que já tinham caído do pé há algum tempo -, o pônei ficou bêbado e caiu em uma piscina.
"Fat Boy" escapou de seu estábulo e, acompanhado de outro pônei, devorou centenas de maçãs que haviam caído de árvores na fazenda onde vive. Como estavam no chão há muito tempo, as maçãs já tinham começado a apodrecer e fermentar, produzindo álcool.
Por volta das 3h da madrugada, "Fat Boy" quebrou uma cerca e caiu na piscina da fazenda. O barulho acordou sua dona, Sarah Penhaligon, 28 anos. "Eu não sabia o que tinha acontecido. De longe, vi um corpo gigante e escuro na piscina. Só depois vi que era um cavalo", conta. Sem saber o que fazer, Sarah ligou para a polícia e, enquanto aguardava ajuda, tentou acalmar o pônei... dando a ele mais maçãs fermentadas. "Nunca imaginei que aquilo pudesse deixar alguém bêbado, ainda mais um animal."
Os bombeiros da cidade, além de duas equipes de policiais, demoraram cerca de duas horas para conseguir salvar "Fat Boy". O cavalo foi levado para um veterinário, e passa bem.

terça-feira, 14 de outubro de 2008

P.O.D. - Change The World (Legendado)

Se tem uma banda que expressa sua crença, essa banda com certeza é o Payable On Death. Depois de anos e anos de estrado, o grupo americano se apresenta em 4 datas aqui no Brasil no mês de novembro, as capitais são: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Curitiba!!!

Sonny e seus amigos lançam o novo cd da banda que anda bem repercurtido na terra do Tio Sam!!!

O P.O.D como são conhecidos aqui no Brasil, tratam em suas letras de temas, que envolvem, Deus, a vida, e os problemas que nos cercam. Realmente, é uma banda que não precisa apelar para que você ouça o que eles tem para dizer...

Hits como: alive, youth of the nation, boom, satellite e southtown são esperados com ansiedade por seus fãs brasileiros!

Vamos?

Head - Flush (the OFFICIAL video in HD 2008!!!)

Então, para quem era fã do Korn, e consequentemente fã do seu inusitado guitarrista "Head". Agora, vocês podem matar a saudade, com esse clip, que inaugura finalmente seu primeiro disco solo, desde a sua saída da banda. Brian "Head" Welch, dedica sua vida a sua família e seu ministério, que é pregar as boas novas. Acho que o clipe deixa claro, o que ele realmente quer falar...

Deus fala com quem está disposto a ouvi-lo!

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

YOU TOO


E passou tão rápido, quando quatro adolescentes de Dublin resolveram montar uma banda. Jamais poderiam imaginar o sucesso que seria. Há quem diga, que o U2, é uma banda global pelo enorme sucesso. Também existe gente dizendo que estes irlandeses podem ser considerados como a maior banda de rock de todos os tempos!
A capacidade do U2 em emocionar seus fãs vai extrapolando todas as barreiras, e cada dia que passa, mais adeptos a esta religião surgem prontos para numa corrente mudar o mundo. Desde cedo, no início da banda, o U2 vem sendo uma banda diferenciada, com uma proposta sonora simples e objetiva e com uma composição, um tanto, fora dos padrões. Sem levantar polêmicas, estes rockeiros semeiam o bem por onde passam.
Falando em bandeiras, a música não limitou este grupo, que sem medo ou pudor, vem desbancando os "proprietários do mundo", cobrando o perdão das dívidas dos países mais pobres. Assim como a árdua luta contra a fome, e também pela qualidade de vida das crianças de todo o mundo. Fora a propaganda contra a guerra, onde a paz é estimulada e a convicção de que a violência só gera violência , é proposta a cada um que esteja num de seus shows. O U2 também tem uma crítica afiada, ao que a mídia do entretenimento tem a oferecer, e eles servem como uma luz na escuridão, para dar uma nova oportunidade de visão, aos cegos desta era.
O envolvimento com a religião, a posição política definida e todo o engajamento por justiça social, através de ações humanitárias, tornam o U2 a grande banda deste novo século. Os temas decorrentes de suas vivências, as vezes dificultadas por tanta intolerância religiosa, de seu país de origem, serviu como grande influência para que em suas letras isso pudesse se tornar música, externando uma oposição viceral ao ódio e preconceito.
O U2 também tem em suas letras, fatos marcados pelo amor, seja na perda de um familiar, ou simplesmente em um amor não bem sucedido. Podemos observar, que o comportamento fora dos palcos é extremamente diferente. Não há envolvimento com drogas, não há escândalos com prostitutas ou problemas com a polícia. Isso tudo confirma não uma projeção de perfeição, mas de um caráter um tanto incomum nos dias de hoje.
Larry, Adam, Edge e Bono estão completando neste mês de setembro 32 anos de banda. Eles gravaram diversos álbuns, fizeram várias turnês, gravaram alguns dvds. E até hoje continuam produzindo músicas novas. O que esperar de uma banda que vem sempre inovando e surpreendendo a todos?
Seus diversos hits vão ecoar nas vozes de milhares de fãs pelo planeta. Pela sinceridade e honestidade contida em cada verso. Mas a sua mensagem central, esta sim, estará transformando vidas e contagiando amor para quem quiser e estiver disposto.
O U2 seria como exemplo de uma igreja intinerante, onde o cerne da cruz, pode não ser pregado através de palavras, mas sim, de atos...
---------------------
David Azevedo

GALHOS SECOS (original)


Uma das canções mais marcantes na minha vida!

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

O Comunismo familiar.


“A revolução é necessária e urgente” talvez uma frase solta e perdida num ambiente que poderia ser mais aterrorizador através de décadas passadas. Anita Leucádia Prestes, filha de Luiz Carlos Prestes e Olga Benário, conhecedora da causa e sobrevivente, sem pudor afirmou que a revolução é necessária e urgente.

Tanto Prestes quanto Olga, podem se orgulhar do resultado de um amor inevitável e impossível. Este casal que abalou as estruturas militares neo-políticas no Brasil. Sofreram com a falta de democracia e direitos absolutos, assegurados por leis internacionais (que até o momento não existiam). A saga do casal comunista, não teria outro fim. Tortura, sofrimento e dor. Lágrimas poderiam não fazer parte deste enredo. Eles não teriam esse luxo de poder chorar!

Olga extraditada ao seu país de origem, a Alemanha. Já teria seu destino traçado, afinal, o nazismo pouco se importava com quem não poderia "acrescentar". Prestes, teria o direito a vida, trancafiado numa cela qualquer no Brasil, teria um pouco mais de "dificuldade" para morrer.

Anita Prestes, nasceu em solo alemão e logo após o período de amamentação, foi transferida para uma creche, ou para ser adotada, ou quem sabe, ser vítima de experiências da "medicina experimental" nazista. Mas, sua dupla cidadania foi o ápice de uma esperança para que a história continuasse, Brasil e Alemanha, jamais criariam alguém tão marcante e símbolo de uma luta quanto Anita.
----------------------------------
No Brasil, Anita Prestes graduou-se, em 1964, em Química Industrial pela Escola Nacional de Química da antiga Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em 1966, em plena ditadura militar, obteve o titulo de mestre em Química Orgânica.
No início da década de 70, Anita exilou-se na extinta União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Em agosto de 1972, ela foi indiciada em virtude da militância política. Julgada à revelia em julho de 1973, Anita foi condenada à pena de quatro anos e seis meses pelo Conselho Permanente de Justiça para o Exército.

Em dezembro de 1975, Anita Prestes recebia o título de doutora em Economia e Filosofia pelo Instituto de Ciências Sociais de Moscou. Quatro anos depois, em setembro de 1979, a Justiça extinguia a punibilidade da sentença que condenou Anita à prisão, com base na primeira Lei de Anistia no Brasil.

Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense, título concedido em janeiro de 1990, Anita Prestes foi professora de História do Brasil no Departamento de História da UFRJ, cargo conquistado por meio de concurso público em 1992 e do qual se aposentou em 2007.
Wikipédia

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Hollywood, heróis e fé.



As histórias em quadrinhos não são maniqueístas, o herói podia acabar com o vilão na hora que bem quisesse, mas ele alimenta a esperança de redenção e justiça.
Por Nataniel Gomes
Hollywood já descobriu há muito tempo que as histórias em quadrinhos têm um público fiel de ardorosos fãs e um potencial cinematográfico fantástico. Quem não se lembra, por exemplo, dos verdadeiros blockbusters baseados em quadrinhos como Superman, com Christopher Reeve, e Batman, estrelado por Michael Keaton? Recentemente, o público pôde ver nos cinemas as trilogias do Homem-Aranha e dos X-men, os dois filmes do Quarteto Fantástico, Hulk, O Justiceiro, A volta do Superman, Homem de Ferro, Demolidor, Motoqueiro-Fantasma... Além de mais um filme do homem-morcego e um solo de Wolverine. Mas o que isso tem a ver com o Cristianismo? Muito. Afinal de contas, o ponto em comum de todos esses filmes é a eterna luta entre o Bem e o Mal, protagonizada desde o início dos tempos entre as hostes celestiais e as forças das trevas. Na verdade, as histórias em quadrinhos não são maniqueístas, o herói podia acabar com o vilão na hora que bem quisesse, mas ele alimenta a esperança de redenção e justiça.
Desde a década de 1960, quando começaram a surgir num contexto de profundas transformações sociais e comportamentais, essas histórias trouxeram personagens cheios de contradições como qualquer ser humano, com suas angústias e desafios. Vejamos alguns casos recentes que o cinema retratou: Homem de Ferro – Tony Stark é um multimilionário da indústria armamentista que se torna vítima das próprias armas que constrói e vende pelo mundo. Quando isso acontece, descobre que precisa mudar de vida e assume seu papel na luta contra a violência. Torna-se um mocinho, mas, a exemplo de Paulo, tem o seu “espinho na carne” – ferido em um atentado, precisa ficar constantemente ligado a um aparelho que o mantém vivo. E ainda enfrenta as constantes tentações do álcool e das mulheres.
X-Men – Os protagonistas são seres humanos que nasceram diferentes dos demais. Por isso, são perseguidos e discriminados como se fossem animais. Surgem então dois caminhos para os mutantes: ajudar a humanidade, como propõe Charles Xavier, o líder dos X-Men, ou simplesmente exterminar o homo sapiens, a sugestão de Magneto. As analogias estão ligadas ao momento de criação dos personagens. Charles Xavier representa o ministro batista e defensor dos direitos humanos Martin Luther King Jr, e Magneto encarna o perfil de Malcolm X, ativista que defendia uma luta armada.
Demolidor – O jovem Mathew Murddock perde a visão em um acidente, mas consegue potencializar seus outros sentidos e se torna um advogado (afinal, a justiça é cega, mas ele vê o que ninguém consegue enxergar). Cristão praticante, ele se veste como um demônio para atemorizar os criminosos.
Quarteto Fantástico – Mostra um grupo de amigos que sofre os efeitos de uma tempestade cósmica e desenvolvem super-poderes: força, elasticidade, invisibilidade e transformação em fogo. Mesmo possuindo dons diferentes e necessários para salvar o mundo, eles vivem brigando entre si, como fazemos em nossas igrejas.
Superman – Enviado a este mundo por seu pai, ele é adotado por um casal, dedica sua vida a salvar pessoas e cumpre uma vocação para praticar o bem. Isso lembra alguma coisa? Embora criado por judeus, o personagem retrata a figura messiânica de Jesus de forma bela, certamente de maneira inconsciente. É por isso que o autor de Eclesiastes diz que Deus colocou a eternidade no coração do homem.

A caneta que cura.

Philip Yancey escreve para salvar seu passado – e o futuro de outros.


Tim Sttaford

Conheci Philip Yancey quando ambos tínhamos 22 anos. Éramos ambos editores recém-formados na revista Campus Life, de Youth for Christ [Mocidade para Cristo]. Ele era de altura mediana, sem nenhuma gordura em seu corpo e tinha um cabelo enrolado numa espécie de loiro afro. Magro, embora não atlético, possuía toda a energia necessária. Ele chegou ali vindo de uma criação fundamentalista na Georgia, através do Columbia Bible College e do mestrado no Wheaton College. Sua mãe o criou como mãe solteira enquanto ensinava turmas de escola bíblica; Yancey cresceu pobre, em um trailer, junto com o irmão. Ambos foram criados para tocar piano e apreciar música clássica, de que, aliás, Yancey gosta até hoje. Eles aprenderam a trabalhar duro e a respeitar autoridades – e, mais ainda, aprenderam o Cristianismo fundamentalista. Nada importava muito, comparado a isso. Muitos se esquecem da infância fundamentalista, mas Yancey não foi um destes. Ele absorveu o caminho estreito, sua mentalidade rígida e sua forte e brava abordagem da verdade. E depois a rejeitou. Quando o conheci, ele havia escapado deliberadamente do fundamentalismo, mas isso já seria outra história...
Philip Yancey havia deixado aquele mundo, mas não penso que saiu ileso. A força do fundamentalismo é sua pressão e pureza. Fundamentalistas sabem no que acreditam e são firmes em promover sua crença. Geralmente, eles podem dizer o que você pensa também; muitas vezes, são melhores em definir e criticar as posições dos outros do que em ouvir sobre como os outros os entendem. O que parece permanecer com os ex-fundamentalistas são os princípios, a vontade de lutar pela verdade e também uma forte reação à sabedoria rígida da mente dos fundamentalistas. Pelo menos é o que vejo em Yancey: um poderoso senso de honestidade e idealismo, e resistência sobre fazer julgamentos. Em Wheaton, aquele que logo seria um dos mais celebrados escritores cristãos trabalhou para reconstruir seu mundo, procurando limpar-se das características fundamentalistas enquanto preservava (e descobria) a fé genuína e honesta.
A bem da verdade, Yancey havia chegado ao Wheaton College a fim de preparar-se para o campo missionário, em parte porque seu pai, falecido em decorrência de pólio quando os filhos eram crianças, havia planejado ser missionário. Quem conhece Philip Yancey sabe que o que ele planeja fazer, faz. Campus Life, no entanto, foi um acidente, e não algo planejado. Ele precisava de um emprego enquanto freqüentava a escola e a revista lhe ofereceu esta oportunidade. A publicação era praticamente toda escrita pela equipe. O trabalho de um editor era, mais do que qualquer coisa, escrever. Tornou-se óbvio imediatamente para Harold Myra, nosso chefe e mentor, que Yancey era um talentoso e ativo escritor. Foi um achado para a revista – da mesma forma, um achado para ele.
Esclarecido, cheio de vitalidade e criativo, Yancey teria sido bem-sucedido em qualquer coisa. Seria, sem dúvida, um ótimo missionário. Mas o ato de escrever deu a ele a oportunidade de colocar sua energia e sua inventividade em prol de seus ideais e princípios. Durante os anos em que trabalhei na Campus Life, nunca o vi esquecer um só detalhe. Ele era perfeccionista e determinado; tinha uma personalidade controlada e dirigida, que o levava a mergulhar sem reservas em tudo o que fazia. Mas era muito mais compreensivo do que a maioria dos perfeccionistas. Acho que o levei à loucura com os meus esquecimentos, mas raramente ele se mostrou impaciente. Suspeito que isso se deva ao seu passado fundamentalista. Simplesmente, ele não queria julgar os outros e machucá-los como os outros o haviam ferido. Seus escritos melhoraram de forma incrível ao longo dos anos. Não me lembro de nenhum sinal, nos primeiros anos que trabalhamos juntos, de que ele seria um artista com as palavras, um escritor capaz de nos encantar.
Philip Yancey é autodidata. Todos os seus melhores escritos são marcados por uma observação precisa e pelo cuidado ao chegar a conclusões. Com humildade, convida seus leitores a acompanhá-lo numa jornada de aprendizado, também trilhada por ele. Sim, Yancey continua sendo um missionário em seu coração. Ele quer mudar vidas. Desde que o conheço, ele está voltado a pessoas sofredoras. Compartilha suas experiências através de cartas e conversas. De alguma forma, as pessoas reconhecem esta sensibilidade nele – tanto que começou a receber uma quantidade enorme de confissões, mesmo antes de ser um autor conhecido. As pessoas o procuram para falar sobre sua dor. Alguém disse um dia que escrever começa com uma dor de cabeça. No caso de Yancey, começou com uma dor no coração. Alguns de seus títulos dão bem a idéia disto: Onde está Deus quando chega a dor? e Decepcionado com Deus. Por outro lado, sua visão mais concreta e positiva da fé pode ser vislumbrada em obras como Maravilhosa graça, O Jesus que eu nunca conheci e Aliviando a bagagem, entre tantos outros.
Dois lugares foram de grande importância na vida de Yancey. No fim dos anos 1970, ele e sua mulher, Janet, mudaram-se para Chicago. O trabalho dela no centro de idosos da LaSalle Street Church envolveu o casal em uma igreja histórica. LaSalle era uma congregação que acreditava no Evangelho e aceitava pessoas problemáticas da forma que chegavam. A comunidade mostrava preocupação tanto com o corpo quanto com a alma. E lá, o escritor podia ser ele mesmo; até dava aulas na escola dominical. Como ex-fundamentalista, Yancey estava ressabiado com a Igreja, mas LaSalle o trouxe de volta. Ele descobriu que poderia ser parte do Corpo de Cristo – seus dons seriam bem-vindos e honrados.
Acontece que Chicago era muito mais do que aquela igreja. Os Yancey mergulharam na complicada cultura das grandes cidades, com todas as suas coisas boas e ruins – a magnífica Sinfônica local, por exemplo, ou o beisebol apaixonante do Chicago Cubs. Havia também aglomerações, violência urbana e grandes restaurantes. Tudo muito diferente do que havia na sua Geórgia, mas ele se adaptou àquele ambiente cosmopolita. Ainda assim, uma grande parte de Philip Yancey estava radicalmente insatisfeita em Chicago. É que ele precisa da natureza, assim como o violino precisa de um arco. Portanto, nos últimos 15 anos, o casal vive no Colorado, em uma situação oposta à de Chicago – sem grandes concertos ou estádios de beisebol, mas também sem mendigos ou crimes. Há poucos restaurantes, mas eles têm as montanhas. E, em 2007, Yancey alcançou um objetivo importante para ele (e objetivos sempre são importantes para Philip Yancey): escalou o último dos 54 picos mais elevados do Colorado. O alpinismo é para ele apenas recreação, mas superar os obstáculos da subida o ajuda a avaliar tanto a beleza das montanhas quanto a capacidade de sua força de vontade.
A mesma tenacidade ele carrega para as letras. Escrever é sua vocação, e ele a exerce com muita seriedade. Eu confesso que apenas gosto de escrever. Poderia escrever sobre quase tudo; minha paixão é escrever da forma mais artística e articulada possível. Se eu disser ao leitor algo que ele não sabia, então considero meu trabalho feito. Mas, Philip Yancey, não. Ele escreve para curar. Por vezes, retoma a semente de seu passado fundamentalista – as Boas Novas para os que sofrem e estão perdidos – e está determinado a transmitir essa mensagem. Apto, como qualquer perfeccionista, a se auto-condenar, ele carrega uma alarmante mensagem que ainda sente dificuldade em aceitar: a de que Deus nos ama! O dom especial de Philip Yancey é o de comunicar a graça aos que sentem dor, e o faz aproximando-se deles gentilmente, e não empurrando palavras com força. É claro – todos experimentaram a dor. Portanto, de alguma forma sua mensagem é universal. Ainda assim, a resposta visceral vem dos cristãos machucados pela vida, feridos pelas falhas das igrejas. Gente que questiona se Deus pode cuidar deles enquanto permite que sofram desta maneira. Philip Yancey entende a dor. E trabalha duro, tremendamente duro, para, através de sua caneta, transmitir uma mensagem simples: a do amor de Deus.
(Tradução de Karen Bomilcar)
Copyright © 2008 by Christianity Today International

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Somos idiotas mesmo...


Os políticos brasileiros são uma das classes mais privilegiadas do mundo. Eles são funcionários públicos (porque nós é que os sustentamos com nosso trabalho, na forma de impostos), mas se comportam como se fossem milionários ou divindades abençoadas.
Numa comparação com a Inglaterra, em mordomias o Brasil dá de 10 x 0 nos ingleses. Os deputados ingleses não têm lugar certo onde sentar-se na Câmara dos Comuns; não têm escritórios; não têm secretários nem automóveis; não têm residência (pagam pela sua em Londres ou nas províncias); não têm passagem de avião gratuita, salvo quando a serviço do próprio Parlamento. Todas estas mordomias têm que ser pagas do próprio bolso. E seu salário equipara-se ao de um Chefe de Seção de qualquer repartição. A idéia na Inglaterra é que os deputados são funcionários do povo. Aqui no Brasil eles são parasitas porque vivem às custas de mim e de você, e além disso ainda roubam o nosso dinheiro.

Você sabe o quanto de mordomia você está pagando para os deputados brasileiros? Pois fique sabendo: Salário: R$ 12,8 mil; Auxílio-moradia: R$ 3 mil; Transporte: 4 passagens aéreas de ida e volta a Brasília por mês; 13º e 14º salários: no fim e no inicio de cada ano legislativo; Verba para despesas comprovadas: R$7 mil; Verba para assessores: R$ 3,8 mil; Férias de 90 dias ao ano (deve reduzir para "apenas" 45 dias) e folga remunerada de 30 dias; R$ 35 mil por mês como verba de gabinete; Direito a contratar 20 servidores para seu gabinete; Engraxate, barbeiro e cabeleireiro grátis, além de médico e dentista. E ainda recebem R$ 25,4 mil para não trabalharem durante o recesso.

A estupidez de berço...


Período…..Mortos em conflitos…..População mundial…..em % da popul. mundial
Séc. XVI———-1.600.000—————-493.300.000——————-0,32%
Séc. XVII———6.100.000—————-579.100.000——————-1,05%
Séc. XVIII——–7.000.000—————-757.400.000——————-0,92%
Séc. XIX——–19.400.000————–1.172.900.000——————-1,65%
Séc. XX——-109.700.000————–2.519.500.000——————-4,35%

Nota: os valores da população mundial são estimativas referentes ao meio do século.
Fonte: Relatório do Desenvolvimento Humano do PNUD-ONU, 2005, pág. 175


________________________

Precisamos somar a porcentagem do século XXI, a estimativa é que em alguns anos (não muito distante) a probabilidade será de um ser humano morto em guerra a cada dez habitantes no planeta.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Happy Birthday my blog !!!

Enfim chegamos ao primeiro ano de existência desse cantinho aqui. O blog "coexista" que teve seu formato alterado especialmente para o blogspot, completa 1 ano neste servidor!!! Que venham mais e mais anos de controvérsias, polêmicas, aprendizado, desabafos, opiniões, críticas, humor e tudo mais que der vontade de postar aqui hahaha.
Obrigado a todos pela paciência e desculpem os erros gramaticais como o crônico problema das atualizações, mas tudo que é escrito aqui é com o sentimento mais sincero possível!!!
Numa época onde a internet é tão presente na vida de cada um de nós, espero estreitar os laços fraternos com todos que aqui frequentam.
E em breve estará entrando na rede uma surpresinha que se não vai "abalar bangu", vai emocionar muita gente! Aguardem...
Valeu blogueiros e internautas de plantão!!!

sábado, 9 de agosto de 2008

Feliz dia dos pais!



Existe data para tudo, em especial algumas que nem precisariam existir, tais como: dia das mães, dia do amigo, dia do abraço, dia dos pais e etc... Pois o que comemoramos nestes dias, deve ser celebrado diariamente!
Aproveitando o clichê que esta data oferece, digo que se não tenho o melhor pai do mundo, estive perto de ter!
Meu pai foi embora quando eu era bem pequeno (não de estatura, mas de idade), eu tenho poucas recordações dele. As que ficaram, não são as melhores.
Lembro bem do processo final de divórcio dos meus pais. Foi meio desgastante, eram brigas e mais brigas, e eu sabia que em algum tempo, jamais veria os dois juntos novamente. Eu sei que nada dura para sempre, mas o casamento dos dois poderia ter durado mais, até eu me tornar gente de verdade.
Os dias foram passando e com eles a minha esperança da "família completa".Até que ele saiu de casa e ocasionalmente nos fins de semana aparecia para nos ver. E era horrível isso, porque ele simplesmente não ficava. Até que um dia, resolvi dormir em cima dele (com medo que ele fosse embora), eu pensava que assim ele não pudesse escapar ou não tivesse coragem de ir. Mas pela manhã, acordei na cama, que parecia ser maior do que quando tinha ido dormir. Faltava alguma coisa, e essa coisa era ele.
Uma criança chorando não é anormal, mas foi a partir daquelas lágrimas que comecei a me tornar homem. A saga da sobrevivência iniciava-se com toques dramáticos e com traumas familiares que me acompanham até hoje (mesmo que não tenham mais efeito). De repente, aquele que era para ser o meu herói, tornou-se o vilão, e o mocinho sofreu por esse pequeno detalhe!
Tantas datas e dias especiais eu esperei por sua volta, o que acabou nunca acontecendo. Quantas horas difícies eu precisei e ele não esteve presente. Acho que eu só queria dizer que amava ser filho dele, e que tentaria entender o que fosse necessário.
A ausência do meu pai foi superada de certa forma pela minha mãe e minha irmã, que sempre zelaram por mim, mesmo eu não tomando a iniciativa de ser o homem da casa. Eu fui o pobre coitado, alvo das boas ações das duas. Que além de tornarem-se mantenedoras, ocuparam o papel de criação. E como foi "intenso" crescer no mundo feminino.
Sem motivos para me lamentar, observo com extrema felicidade os pontos positivos. Meu caráter, meus sonhos, e minha personalidade estão ligadas a esta falta, uma carência que gerou um amadurecimento precoce e sensato. Não me rebelei e sempre procurei me questionar se deveria ser alguém melhor por conta disso.
Os dias dos pais, sempre foram uma dor de cabeça, tanto na igreja, quanto na escola. Sempre estive com um pé atrás. E pensava que talvez fosse melhor que o mesmo (meu pai), estivesse morto do que vivo. Porque com ele morto, eu teria certeza de que ele não poderia estar comigo, por motivos óbvios. Mas o drama deste enredo é justamente esse, ele está vivo, e vive como se eu não existisse. Desde que foi embora, nunca mais voltou e isso já foi há mais de 17 ou 18 anos.
Mesmo vivendo com a incerteza do amor não correspondido e sem saber, os motivos que o levaram a abandonar tudo (família, amigos, passado). Espero poder ser o pai que eu não tive, quero que o meu filho, não tenha um dos melhores pais do mundo, mas que tenha o melhor!Pretendo ser o pai que não tive!!!
A grande verdade é que podemos reverter determinadas situações, transformando uma tempestade em bonança. E tudo isso que aconteceu comigo (mesmo explicado de forma reduzida) hoje serve como lição e como motivação para ser alguém melhor.
Então, meu agradecimento ao meu pai, por ter sido pai mesmo que por alguns anos. Sem ele, eu não seria o que sou hoje!!!
Feliz dia dos pais!!!

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Papos no divã.



Veja na íntegra a transcrição da minha última visita ao consultório de uma psicóloga (vou preservar o nome da profissional para evitar ações judiciais):
P: O que tem para falar hoje?
Eu: Quero uma mulher como a Amy Winehouse, na verdade, queria uma mulher como Marieta Severo, mas uma mistura entre as duas não seria ruim...
P: Marieta e Amy? Explique.
Eu: Gosto de mulher inteligente e ao mesmo tempo, gosto de mulheres loucas. Se a Ruth Cardoso não tivesse falecido...misturaria a Carolina Ferraz, e teria a mulher ideal!
P: E o que estas mulheres, ou melhor, sua mulher perfeita pode esperar de você?
Um sorriso amarelo, rosto vermelho e dez segundos para respirar, respondi:
Eu: Não sei. Nos últimos anos mudei muito. Não sou ciumento, nem tão pouco sou um açúcar, se é que você me entende? Confesso que já fui mais romântico, mas as mulheres de hoje em dia, não se prendem mais ao romance. Elas querem satisfação sexual e profissional. Querem estabilidade, independência e um saldo positivo no cartão de crédito.
P: Não acha que generalizou? Procure falar de você e não das mulheres, quero saber o que elas podem esperar de você!
Eu: Ah...!!! Como eu disse, já fui uma pessoa melhor, hoje preservo meu senso humanitário,
minha fé, e um coração caloroso, apesar de me frustrar constantemente, ainda acredito na amizade e nas pessoas. Mas aprendi a me dá valor, amor próprio, essas coisas! .... Bom, elas podem esperar fidelidade, e um esforço no companherismo, até porque eu acho que a relação deve ser macada pelo respeito e amizade.
P: Você consegue definir seus sentimentos? Acredita no amor?
Eu: O amor é a fonte de inspiração do homem. Sentimento abstrato com um toque divino na sua composição, eu me esforço cada dia esperando por ele...vou te falar uma coisa que sempre falo para todo mundo, eu penso que o amor entre homem e mulher, seja uma construção, cada dia você ergue alguma coisa, tem dia que você precisa derrubar uma parede, não acredito na teoria que as pessoas nascem prontas uma para outra!
P: Fale mais sobre isso.
Eu: Eu preciso dar um tempo ao meu coração, preciso ouvir a minha razão. Tantas pessoas passaram por ele, e ainda não me convenci do que falei anteriormente ( do amor ). Espero poder construir em breve...espero acordar ao lado de alguém que não seja um mero desconhecido, alguém estranho o suficiente para me "enojar"... Se me deixar falando aqui, vou falar de vocês, adoro falar de mulher, gosto desse mundo, a mulher é a perfeição da criação (um tom irônico)!!!rs
-----------------------------------------------------------------
Essa foi a parte mais interessante da conversa.
Obs: Interessadas e candidatas, favor olhar os pré-requisitos em algum post perdido com o título "procura-se", lá o perfil da mulher ideal se econtra descrito com clareza e sentido!!!

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Play List


Amy Winehouse - back to black
Seu Jorge - pretinha
Los Hermanos - último romance
Trem da Alegria - pra ver se cola
Paula Lima - isso aí
Chico Buarque & MPB4 - roda viva
Orquestra Imperial - me deixa em paz
Noriel Vilela - 16 toneladas
Cidade Negra - solteiro no rio de janeiro* :)
David Bowie - heroes
Simple Minds - lady in red
Radiohead - creep
Faith no More - epic
R.E.M - fall on me

Querido diário...

Dias no Rio me deram descanso e paz. Dias de agitação, prazer e até mesmo dias de virtude. Ao que tudo indica, em breve, a casa já esteja totalmente arrumada e o que parecia ser apenas mais um sonho, torne-se então a mais pura realidade.

Finalmente me rendi ao som contagiante do Seu Jorge (agora não sou mais um ouvinte, sou fã), esse figurassa ai da foto ao lado. Minha irmã tem uma parcela de culpa nisso. O meu lado sambista brotou de vez (me desculpe Cartola e cia), mas desta vez, num som moderno, é assim que este compositor carioca, faz do pagode ou samba, algo bem moderno.

Em uma semana deu para fazer muita coisa, e até consegui estudar, dá para acreditar? Este post está em formato de diário, porque nem todos sabem da minha ausência por aqui. Então, quando eu conseguir reajustar minha rotina, pretendo retomar os posts cults, ok?

Tenho recebido alguns emails de pessoas que não comentam por aqui, e eu realmente não sou daquele jeito de implorar por um recado, o que realmente eu quero é a satisfação de todos nós, não preciso de números aqui para mostrar que sou lido ou que tenho a atenção de vocês. Até mesmo, porque eu escrevo pensando estar só, por isso a originalidade...

Tenho aprendido tanta coisa nos últimos dias...hahaha

quinta-feira, 3 de julho de 2008

Passo.


Depois de um passo, logo vem o outro. E mesmo fazendo isto com frequência, ainda é difícil, saber o que fazer com a próxima atitude, a próxima reação. É engraçado, como as coisas conspiram numa maratona de problemas e desafios, tudo vira motivo para uma bola de neve. Sempre estamos nos superando em suportar o próximo passo! Chega ser natural, quando realmente nos descabelamos e achamos que é o fim, existe um contorno para resolver ou para abafar a situação. Mas o próximo passo é sempre uma dor de cabeça.



É duro ter que ralar para agir corretamente e não ser correspondido por isso, por mais que o certo seja não esperar nada do próximo, nada em troca. Eu ainda me sinto desolado por não ter algum incentivo, ou uma simples resposta! A vida parece sonegar, porque simplesmente nossas vontades nunca podem ser realizadas no tempo que desejamos. E o próximo passo sempre estará ligado ao tempo que dedicamos ou esperamos por algo.



O sufoco de ter que esperar, a agonia em ter que imaginar e o sofrimento de ter que se torturar através de sonhos, que parecem cada vez mais distantes da realidade. Tudo bem, que não há uma regra para sonhos. Mas contar as horas insistentemente no relógio, não é terapia para ninguém!



O caminho mais longo sempre é o escolhido, já faz parte do jogo. Ninguém planeja ter um encontro com si mesmo. Não acontece toda hora. Mesmo tentando desviar daquilo que parece ser óbvio, encarar outro lugar é tão complexo quanto percorrer o caminho mais longo!



Espero poder dar o próximo passo...por mim mesmo!