sábado, 6 de fevereiro de 2010

E eu que sou um nada...continuo vivo!


O estudante de biomedicina Alcides do Nascimento Lins, de 22 anos, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), foi morto a tiros na madrugada deste sábado (6), em sua casa, no Recife. Na época de sua aprovação no vestibular, ele foi o primeiro colocado da rede pública. A felicidade do momento vivido por ele e por sua mãe, a vendedora ambulante Maria Luiza do Nascimento, foi mostrada no Fantástico de 2007.

Segundo testemunhas, os criminosos estavam procurando por vizinhos do rapaz, mas como ele não soube informar onde estavam, mataram a vítima. Alcides será sepultado na manhã deste domingo (7), no Cemitério de Santo Amaro.
Alcides era estudante de escola pública e morador de uma comunidade carente, mas superou as dificuldades e passou no vestibular de um curso concorrido da instituição federal. "Eu sempre conversava com ele e pensava: esse vai ser um cara de futuro, vai entrar para a história. E de repente tem a vida interrompida por marginais, por pessoas que nem ao certo sabiam a pessoa grandiosa que ele era", disse a mãe após o crime.

O caso será investigado pela Polícia Civil a partir desta segunda-feira (8). De acordo com informações preliminares, a vítima teria sido atingida duas vezes na cabeça.
Em nota, a Universidade Federal de Pernambuco lamentou morte do estudante de biomedicina.
Na época em que o filho Alcides foi aprovado no vestibular da UFPE, Maria Luiza lembrou das dificuldades que passou para conseguir dar uma boa educação ao filho, que chegou a estudar encostado na parede de uma biblioteca no Recife. "Ele vai ser médico, ele quer ser cardiologista”, disse ela à reportagem do Fantástico, em 2007.

“Eu sustentei meus filhos com a carroça, porque eu não queria que eles ficassem como hoje em dia eu vivo. Para eu vê-lo um dia ser o que ele é, eu tive essa força, essa coragem para trabalhar noite e dia”, afirmou Maria Luiza, à época.
“Comprava uma quentinha para ele, e ele ficava lá, se alimentava lá, ficava escoradinho na parede, para ninguém ver, com vergonha. Mas eu dizia para não ter vergonha, porque um dia essa vergonha passa e ele será um grande doutor, porque eu tenho esperança", afirmou a mãe de Alcides, em 2007.
http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1479883-5598,00-ALUNO+DE+BIOMEDICINA+DA+UFPE+E+MORTO+A+TIROS+NO+RECIFE.html


2 comentários:

Anônimo disse...

Yes undoubtedly, in some moments I can phrase that I jibe consent to with you, but you may be making allowance for other options.
to the article there is still a definitely as you did in the downgrade delivery of this solicitation www.google.com/ie?as_q=dvd-cloner 5.10.967 ?
I noticed the axiom you have not used. Or you functioning the pitch-dark methods of promotion of the resource. I suffer with a week and do necheg

Tarja Preta disse...

Biomedicina..um curso de quase 3 mil reais aqui em Brasília.
Um cara de 22, começando a viver..
Esforço, não só dele, para conseguir uma coisa que no Brasil é quase impossível para uma pessoa pobre.
Eu só queria entender o pq de coisas como essa acontecerem. Por que uma vida é tão banalizada? Por que os humanos, e não vem de hj (vem lá da história de Caim), se sentem no direito de ditar quando é a hora do outro morrer?
Não quero nem pensar no julgamento desse cara, se é que foi preso!
Lamentável, simplismente..
E eu que sou nada..continuo viva..