segunda-feira, 2 de maio de 2011

Casamento IRreal.

                                             Não assisti. Quase não li. Mas, vou degustar.

Realmente, este ano de 2011, parece ser um ano literalmente ímpar. Vai da morte de Osama à beatificação de João Paulo II e, o casamento mais aguardado da última década, do princípe William com a "plebeia" Kate Middleton.

O que pude acompanhar (mesmo à distância) me deixou realmente desmotivado. Eu sei que isto pode ser importante para o povo inglês e todo o Reino Unido. Mas, esta audiência que foi divulgada (digna de Copa do Mundo) e toda a peregrinação turística à Londres para a cerimônia, é demais para mim! Será que a grande maioria esmagadora é tão tapada assim?

Cá pra nós, os dois moravam juntos e não estavam "casados"? Por aqui, a justiça chama isto de "união estável". E ainda, queriam fazer um teste de virgindade (parte de um dos milhares de protocolos e ritos da tradição real) na pobre (nem tão pobre assim, vai...) plebeia!

A Inglaterra vive um dos momentos mais delicados de sua recente situação "financeira". É meus amigos leitores deste humilde blog, por lá andam cortando investimentos até na área da educação, dá para acreditar? Acompanhados, por uma forte crise que a Europa passa (não tão dignimanete). Fora a difícil tarefa em "expulsar" ou não deixar que o país seja invadido por imigrantes, que acenam como inimigos da economia. Parece que a pompa real não perde o prestígio. E olha, que com todo respeito e educação, mas esta rainha (a Elizabeth) nada acrescenta ao país, nem pelo lado político (como liderança e representação histórica), tão pouco pelo carisma, porque definitivamente, ela é uma caricatura ilustrativa do que já foi um dia uma monarquia.

Há quem defenda, que realmente, a família real é apenas uma representação do passado. Talvez, um exemplo vivo, para narrar a história da nação. Embora, o país viva no regime parlamentar, onde pouco ou quase nada, é decidido pela linhagem monárquica. Lá na Inglaterra, quem manda e desmanda são "o primeiro ministro" e os parlamentares (diga-se de passagem... dão um banho de honestidade com o dinheiro público, algo muito peculiar aqui no Brasil, não acham?).

Analisando por uma outra perspectiva. Este casamento trás à tona, uma série de escândalos, pra lá de "reais".  Tablóides ultra-sensacionalistas britânicos, ao longo dos últimos trinta anos, deitaram e rolaram com as inúmeras sequências desastrosas do tio e do pai do princípe William. O que mostra, a força literal do título "real", eles, são de carne e osso, com os mesmos desejos e impulsos de pobres mortais, seja de sangue azul ou plebeu!


De qualquer forma, foi uma jogada de mestre para tentar recuperar o orgulho inglês. O que talvez, andasse tão fora de moda, bem longe das badalas passarelas londrinas. Agora, há a oportunidade em colocar o povo de volta à suas origens. Por mais, que vá perdendo a usualidade no contexto social, não podemos esquecer nossa história (no caso, a história deles).


E ouso a dizer, que o Brasil, teria que passar por este besteirol contemporâneo (porque fico lembrando das mudanças sociais importantes que precisamos fazer). Os políticos e comitês que irão organizar a Copa e as Olimpíadas, deveriam aprender como organizar um evento desta magnitude. Os ingleses, mostraram ao mundo, que continuam mestres em executar grandes espetáculos, com organização e profissionalismo. Se por lá, esbajam libras mesmo sem ter, aqui, com o real sobrando, faremos a mesma coisa. Ao menos, se a famosa e tradicional pontualidade nacional seja copiada deles...

4 comentários:

Dans mon île... ઇ‍ઉ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dans mon île... ઇ‍ઉ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dans mon île... ઇ‍ઉ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dans mon île... ઇ‍ઉ disse...

gostei do texto! esse casamento tem dois modos de subjetivaçao : o lado liberal de ver a vida,onde a racionalização e analise dos FATos historico-social de tal exagero e outro que é o romantico, onde as pessoas estão fartas de tanta realidade e se encantam com aquilo que parece ser distante porem nao menos desejado...
Mas ambos coexistem e não se sobrepoem...
fico no meio termo...espero que independente de qq fato vinculado ,que sejam verdadeiramente felizes, contrariando a lógica pós moderna que casamento é uma instituição falida e que o importante da vida é o gozo narcisico de quem acha que vive no mundo sozinho
p.s: sera este o indicio maior da liquidez humana?